domingo, 27 de maio de 2012

Crianças Índigos e Cristal. O que nos diz a ciência a respeito delas?

Ana Lúcia Hennemann/ Maio 2012

Imagem:  http://www.picturesdepot.com/images/20633/cute+angel+baby.html
Muito se tem falado sobre crianças Índigos e Cristais, mas quem são elas? Onde vivem? Como surgiram estas denominações?

A denominação Criança Índigo se originou com a parapsicóloga, sinesteta e psíquica Nancy Ann Tappe, por volta dos anos 70. Em 1982 Tappe publicou o livro “ Entendendo Sua Vida Através da Cor”, onde ela descreveu este conceito, afirmando que por volta dos anos 60 ela começou a perceber que muitas crianças nasciam com suas auras  “índigas”(aura com predominância da cor azul índigo). Em 1998, a ideia foi popularizada e foi lançado o livro “ As Crianças índigo: As novas crianças chegaram”, escrito por Lee Carroll e Jan Tober. Em 2002, no Havaí, ocorreu uma conferência internacional sobre crianças índigos, com 600 participantes. Nos anos subsequentes, estas conferências ocorreram na Flórida e em Oregon. Os anos passaram e vários filmes e documentários foram produzidos sobre o assunto.
Contrapondo-se a isso, Sarah Whedon W., em 2009 escreve um artigo onde alega que os pais rotulam seus filhos como ‘índigo” para fornecer uma explicação alternativa para o comportamento indevido de seus filhos, decorrentes do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).
Russell Barkley, psicólogo, comenta que essas terminologias “Índigo e Cristal, que surgiram no movimento Nova Era, ainda não produziram evidências empíricas da existência de tais crianças, pois para ele, as características descritas são muito vagas. Especialistas em saúde mental estão preocupados por rotular uma criança como “índigo ou Cristal”, pois muitas vezes, pode se retardar o diagnóstico e tratamento adequado que poderia ajudar a criança. Nick Colangelo, professor especialização na educação de crianças com altas habilidades, faz questionamentos de quem está lucrando com estas terminologias, uma vez que muitos livros, apresentações e vídeos estão sendo comercializados com esse assunto.
Dentro desta mesma linha, Lorie Anderson, em seu artigo “Índigo: A cor do dinheiro”, argumenta que a crença em crianças índigos tem um valor comercial significativo, devido às vendas de livro, vídeo, sessões de aconselhamento para crianças, filmes, acampamentos de verão e conferências que visam que os pais acreditem que seus filhos são “Índigos”.
Crianças índigo são crianças que possuem dons especiais, às vezes sobrenaturais ou altas habilidades. Grande crença de que eles são curiosos, de temperamento forte, independentes e muitas vezes visto pelos amigos e familiares como “estranhos”. Apresentam uma forte espiritualidade inata, mas que necessariamente não implicam num interesse direto em áreas espirituais e religiosas. Também possuem um alto quociente de inteligência, grande capacidade de intuição e resistência a regras rígidas, controles baseados em paradigmas de autoridade.
Segundo Tober e Caroll, as crianças Índigo nem sempre apresentam bons resultados em  escolas convencionais, devido à sua rejeição a autoridade rígida, pois muitas vezes são mais inteligentes (ou maduros espiritualmente) que seus professores. Também, os mesmos autores, fazem uma crítica ao uso de medicações para estas crianças, vistas por eles como índigas, e pela comunidade escolar com crianças com TDAH, sendo que segundo eles, muitas dessas crianças são ou foram educadas em casa.
Conforme Doreen Virtue, estas crianças são criativas  apresentado dom musical, facilidade para poesia, criatividade na confecção de objetos...), são propensos a vícios, com um histórico de depressão, ou até mesmo pensamentos suicidas, tem grande oscilação na auto estima (por vezes muito alta, em outras muito baixa), possuem um grande desejo de ajudar o mundo e grandes laços com plantas ou animais.
Crianças Cristal são crianças que tem uma consciência universal, não são individualistas, preocupam-se com o próximo. Apresentam o dom da telepatia ou então iniciam a falar numa fase posterior a outras crianças ou muito antes. Conforme Doreen Virtue, devido à sua capacidade de comunicação telepática podem ser rotuladas como “lentas” ou “autistas”, embora não seja o caso. Estas crianças têm uma aura de cristal colorido, campo um teórico de radiação em torno do corpo que alguns afirmam ser capazes de ver. São altamente carinhosas, interessam-se por cristais e pedras. Por muitas pessoas são denominadas crianças arco-íris. Acredita-se que as primeiras Crianças Cristal tenham nascido por volta do ano 2000.
Cientificamente nenhum estudo comprova a existência de tais crianças e os mais céticos acreditam que estes traços podem ser encontrados na maioria das crianças, porém a psicóloga Lídia de Noronha apresenta detalhes em comum entre estas crianças:

Segue um vídeo explicativo sobre o assunto, mostrando a realidade espírita, mas com fundamentos na ciência...

Referências:

DANCOES, Dumari. The New Children. Maio/2006. Disponível online em: http://www.childrenlights.com/Articles/the_children.htm Acesso em 24/05/2012
NORONHA, Ligia de. Crianças Índigo e Cristal. Março/2003 Disponível online em: http://www.ligiadenoronha.com/wp-content/uploads/2010/03/Criancas-Indigo-e-Cristal1.pdf Acesso em 26/05/2012
Índigo Children. Maio/2012 Disponível online em: http://en.wikipedia.org/wiki/Indigo_children Acesso em 22/05/2012.


3 comentários:

  1. Não tenho explicações para entender o porquê de estar sendo manipulada por ordens negras que tem me desgastando muito através dos anos. Estou em uma luta incansável para não deixar que utilizem a minha mente e corpo em proveito próprio. Sou uma pessoa desperta neste planeta. Visualizo certos planos e seres próximos ao planeta Terra e tenho absoluta certeza que todos estes comandos não partem dos seres que habitam o plano físico. Preciso de auxílio, pois não tenho conseguido com os seres que transitam entre os mundos. Conheço os meus auxiliadores no extrafísico. Convivo com diversos seres, mas infelizmente, devido à ignorância, ou covardia, muitas pessoas se recusam a me escutar e a compreender o que se tem passado comigo. Outras, aqui no plano físico, por não saberem ajudar desejam apenas uma boa sorte. Estou muito sufocada neste planeta, recebi e tenho recebido diversos tipos de ataques psíquicos, físicos e energéticos que se possa imaginar. Me sinto presa a uma ditadura onde a lei é do mais forte. Tenho sido alienada a força. Falo diretamente com os seres que estão no extrafísico há muitos anos, pois os visualizo, mas não recebo nenhum retorno. Não me sinto parte deste mundo e de nenhum outro, pois não tenho sido tratada com O MÍNIMO respeito e seriedade para que QUALQUER consciência possa sobreviver. Digo a eles que ninguém vive com a IMPOSIÇÃO dos outros. Ninguém pode sobreviver à base das NECESSIDADES dos outros. Pois estes seres apenas sugam a humanidade e as jogam em um jogo cruel e muito sujo, apenas por que querem, onde o ser humano e outras consciências não são NADA, e fiquem em um estado de total alienação e calamidade, se desviando dos seus planos iniciais que veio desenvolver no planeta. Estou nesse jogo há muito tempo e o que prevejo acontecer, se não houver mudanças, é a minha deterioração total NA FRENTE DE TODOS. Vejo que certos tipos de seres aqui encarnados detém de grande auxílio e apoio de seres de outras dimensões. Que é o que eu não vejo na PRÁTICA. Eu gostaria de saber o porque que estou sendo tratada com esta INJUSTIÇA. Por que não tenho segurança alguma.. O porque que não me retornam as informações que eu preciso, e porque tenho recebido INTENSAS vibrações contra a minha vontade para atender aos seus INTERESSES?

    Grata,

    Deixo o meu endereço de e-mail, para que entre em contato se quiser,

    Anahatajemima@yahoo.com.br

    Estou a disposição de qualquer um que entre em contato para esclarecer qualquer dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mude seu padrão vibracional. A ajuda é para todos que a busquem e aceitem. Aqueles que não se julguem únicos, e que tenham a humildade e a caridade no coração. Aposte nisso, e verá que o amparo sempre esteve ao alcance de suas mãos.

      Excluir