domingo, 5 de agosto de 2012

A maneira como você conta nos dedos tem haver com seu cérebro?


Achei interessante esse artigo, principalmente na explicação neurocientífica sobre a questão de contagem com os dedos, procurei mais sobre o assunto e somente numa edição da Superinteressante de 1989 havia algo sobre não ter mais vergonha de contar com os dedos...
 Na minha humilde percepção devo crer que podemos fazer os cálculos com dedos sim, pois os estudos deste artigo dizem que é uma memória internalizada em nosso cérebro, porém creio que o indivíduo deve interagir com os mais diversos materiais de contagem, entender o processo de realização dos cálculos e a partir disso optar por qual método irá resolver a situação matemática...  Mas, vamos à proposta do artigo...

Sem pensar muito sobre isso, use as mãos para contar até 10.
Como você fez isso? Você começou com a mão esquerda ou a direita? Você começou a contar com um polegar, ou com um dedo mindinho? Talvez você começou em um dedo? E você começou com o punho fechado, ou uma mão aberta?
Se você for Europeu, há uma boa chance que você tenha começado com os punhos fechados, e começou a contar no dedo polegar da mão esquerda. Se você é do Oriente Médio, você provavelmente também começou com um punho fechado, mas começou a contar com o dedo mindinho da mão direita.
A maioria dos chineses, e muitos norte-americanos, também usam o sistema fechado de punho, mas começam a contar com um dedo indicador, em vez do polegar. Os japoneses geralmente começam a partir de uma posição aberta do lado, contando, fechando o primeiro dedo mindinho, e depois os dígitos restantes.
Na Índia, é comum fazer uso de segmentos do dedo para obter até 20 contagens de cada mão.
Contagem de dedos parece tão natural quanto respirar - mas não é inata, ou mesmo, aparentemente, universal.  Na verdade, existem muitas técnicas diferentes, e eles são culturalmente transmitidos.
Em uma das edições da Cognição , os pesquisadores alemães Andrea Bender e Sieghard Beller argumentam que a dimensão da diversidade cultural em contagem com os dedos foram extremamente subestimada. Eles também dizem que, ao estudar técnicas de contagem com os dedos, podemos entender melhor como a cultura influencia os processos cognitivos - particularmente aritmética mental.
Há uma ligação mental entre as mãos e os números, mas que apontam não vem de seres humanos aprendendo a usar suas mãos como um auxiliar de contagem. Ele vai voltar muito mais longe na nossa evolução. Marcie Penner-Wilger e Michael L. Anderson propôs que a parte do nosso cérebro que evoluiu originalmente para representar os nossos dedos foi contratado para representar o nosso conceito de número, e que  ele executa ambas as funções.
fMRI scans (ressonância magnética funcional- é uma técnica não-invasiva imagens do cérebro em que um indivíduo encontra-se em um aparelho de ressonância magnética) mostram que regiões do cérebro associadas com o sensório motor- dedo são ativados quando executamos tarefas numéricas, mesmo se não usar os dedos para nos ajudar a completar essas tarefas. E estudos mostram que crianças com boa consciência na contagem com os dedos são melhores para a realização de tarefas quantitativas do que aquelas que usam menos essa consciência.
Mesmo em adultos, a forma como mentalmente os números se localizam na imagem e no espaço - o efeito SNARC - está relacionada com a mão em que começamos a contagem de dedo. Conforme Ramos(2005, p.33),
Nos experimentos de valoração de tempo/reação com números, verificou-se que os indivíduos diante de um números de valor absoluto alto respondem mais rapidamente com a mão direita do que com a esquerda. Acontecendo o contrário diante de um número de valor absoluto baixo. Esse efeito foi denominado de SNARC- Sptial-Numerical Association of Response Codes.
Sabemos também que, a partir de estudos de língua de sinais alemã, que o tipo de sistema de dedos contando que usamos afeta a maneira como representar mentalmente números e de processos. Isso pode ser porque a contagem de dedo tem uma propriedade única que a diferencia da escrita ou verbal sistemas de contagem: é uma experiência sensorial-motor, com uma ligação direta entre movimento corporal e atividade cerebral.

Então, sabendo que há uma ligação entre as mãos e os números, e que existe uma forma dos dedos utilizados em contagem, influenciarem os processos mentais, quais são as implicações da diversidade cultural desta técnica? Isso significa que nós pensamos sobre os números de forma diferente, dependendo da nossa formação cultural?
É possível. Peguem os sistemas euroasiáticos. Eles são bastante literais: um dedo é igual a uma contagem, e o cérebro imediatamente percebe este conceito. Mas a contagem de dedo chinesa usa gestos simbólicos para representar qualquer número superior a cinco, e as pessoas de Papua-Nova Guiné utilizam grande parte da parte superior do corpo para representar números. Tais gestos simbólicos precisam ser aprendidas, e depois recuperadas, conforme necessário a partir de nossa memória de trabalho. Isso exige mais esforço cognitivo, mas os sistemas simbólicos nos permitem mais sofisticadas aritméticas.
A diversidade cultural da contagem do dedo pode levar a novos insights sobre cognição incorporada. Será que o feedback neurológico destes diferentes tipos de corpos baseada influência contando como pensamos sobre os números? Isso é fascinante, mas aqueles de nós que não são naturalmente bons em matemática podem se perguntar:
- Algumas pessoas vão ser sempre melhores em matemática do que os outros, apenas por causa de onde eles cresceram?
Isso é improvável, diz o Dr. Bender, que aponta que alguns aspectos da contagem de dedos são comuns em todo o mundo, enquanto outras variam mesmo dentro de uma determinada cultura. Ela, porém, acredita que praticando diferentes técnicas de contagem de dedos todos nós poderíamos melhorar a nossa aritmética mental. Isso não foi empiricamente testado ainda, mas talvez valesse a pena uma tentativa.


Entretanto se quiser saber mais sobre o senso numérico acesse: http://www.avm.edu.br/monopdf/6/MARIA%20ANTONIETA%20NETO%20RAMOS.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário