segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Psicopedagogia - um processo de constante formação e criação

     
     A psicopedagogia no Brasil, há mais de trinta anos, no final da década de 70, com o principal objetivo, saber por que muitos não aprendiam, vem desenvolvendo um quadro teórico próprio. Diferenciada da psicologia e obviamente da pedagogia,  apresenta-se como uma área de conhecimento, que traz em si as origens e contradições de uma atuação interdisciplinar, necessitando de muita reflexão teórica e pesquisa. Por exemplo, se o indivíduo possui uma dificuldade de aprendizagem relacionada a metodologia ou conteúdos escolares, o psicopedagogo é o profissional indicado para ajudar a intervir neste processo. Porém, a psicopedagogia não se preocupa com conteúdos aprendidos ou não, mas sim como se posicionam os ensinantes e aprendentes e procura como se dá a relação com o conhecer e o saber.
     A mesma nasceu da necessidade de contribuir na busca de soluções para a difícil questão do problema da aprendizagem humana. Tem seus fundamentos teóricos construídos a partir de várias áreas do conhecimento: Psicologia, Pedagogia, Medicina, Fonoaudiologia, Linguística, Filosofia etc. Seu objeto de estudo é o processo de aprendizagem humana, com um olhar mais amplo e inclusivo. A Psicopedagogia, na sua prática clínica e preventiva, utiliza recursos específicos de diagnósticos e de intervenção.
  Bossa (2000, p. 24) uma das maiores referências de Psicopedagogia no Brasil, enfatiza que:
 A Psicopedagogia se ocupa da aprendizagem humana, o que adveio de uma demanda – o problema de aprendizagem, colocando num território pouco explorado, situado além dos limites da Psicologia e da própria Pedagogia – e evolui devido a existência de recursos, para atender esta demanda, constituindo-se assim, numa prática. Como se preocupa com o problema de aprendizagem, deve ocupar-se inicialmente do processo de aprendizagem. Portanto vemos que a psicopedagogia estuda as características da aprendizagem humana: como se aprende, como esta aprendizagem varia evolutivamente e está condicionada por vários fatores, como se produzem as alterações na aprendizagem, como reconhecê-las, tratá-las e preveni-las. Este objeto de estudo, que é um sujeito a ser estudado por outro sujeito, adquire características específicas a depender do trabalho clínico ou preventivo.

Referências:
BOSSA, Nádia. A Psicopedagogia no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário