terça-feira, 20 de novembro de 2012

Truques que o cérebro faz para reconhecer um rosto




     Robert Winston (2006) afirma que o reconhecimento de rostos está no centro de nossa vida social. Ser humano significa viver e estabelecer relações com os outros. Se alguém não pode reconhecer aqueles que estão ao seu redor, essa janela para o mundo está fechada. A maioria de nós, felizmente é capaz de reconhecer dúzias, às vezes centenas de rostos. E o cérebro faz isso do seguinte modo:


1.Uma pessoa vê um rosto que lhe parece familiar, mas por algum motivo não identifica imediatamente de quem se trata. O cérebro então registra os traços essenciais daquela imagem – olhos, o formato da face e do nariz.


2. Com essas pistas, a memória busca retratos aparentados. Assim, o cérebro compara a imagem que vê com as lembranças de um ex-chefe, de um antigo amigo da família, de um primo distante, de um professor dos tempos de colégio. Este último possui o mesmo formato de rosto e tem nariz e cabelos iguais. Mas na imagem gravada na memória o seu rosto aparece de barba.


3. Sem ter certeza absoluta, o cérebro pode se decide pelo professor, cujo rosto é o mais parecido. A partir daí surgem lembranças: a de que certa vez o professor ofereceu o auxílio em alguma tarefa, a do rosto de sua amiga, a de que ele tocava violão - e tudo vai reforçando a decisão de que é de fato o professor, só que sem barba.


4. Um computador não chegaria a essa resposta, a menos que encontrasse dados idênticos na memória. Além disso, processaria as informações uma por uma, enquanto na verdade o cérebro pode acionar ao mesmo tempo milhões de lembranças arquivadas.

Fonte: 
WINSTON, Robert. Instinto Humano: Como nossos impulsos primitivos moldaram o que somos hoje. São Paulo: Globo, 2006.
Projeto Grupo Dois

Um comentário:

  1. MUITO INTERESSANTE!!! E O CÉREBRO SÓ RECONHECE AQUILO QUE VIU ANTES, O QUE NUNCA VIU E QUE OS OLHOS POSSAM VER PELA PRIMEIRA VEZ PODE NÃO SER "REGISTRADO" CEREBRALMENTE...

    ResponderExcluir