quinta-feira, 7 de março de 2013

Adolescente cria um sensor que identifica o cancêr


SE VOCÊ ACHA QUE PESSOAS DE 15 ANOS NÃO TÊM MUITO QUE ENSINAR AOS MAIS VELHOS, ESSE MENINO VAI MUDAR A SUA OPINIÃO. 



Jack Andraka, de apenas 15 anos, apresentou na Feira de Ciência e Engenharia da Intel, um sensor de papel que identifica o câncer pancreático até 168 vezes mais rápido que os aparelhos usados atualmente. Além disso, a invenção é 90% mais precisa, 400 vezes mais sensitiva e 26.000 vezes mais barata do que os métodos atuais. Ou seja, é genial. 

Como muitas ideias inovadoras surgem de experiências pessoais, essa não foi diferente. Jack se debruçou sobre o tema específico do câncer pancreático, porque um amigo de seu irmão morreu por causa da doença. “Fiquei interessado pela descoberta precoce, fiz uma tonelada de investigações e tive essa ideia.” 

O sensor criado pelo adolescente pode testar urina ou sangue e, se o resultado for positivo para a proteína mesotelina, indica que o paciente tem câncer no pâncreas. A tira de papel utilizada, muda conforme a quantidade da proteína no sangue e isso pode, de acordo com Andraka, detectar o câncer antes mesmo dele se tornar invasivo.

Mas se pareceu que tudo vem fácil para ele, não se deixe enganar. Seu projeto de pesquisa foi rejeitado por 197 cientistas, alguns dos quais lhe disse muito claramente que a sua teoria não poderia funcionar. Apenas uma pessoa disse que sim, mas enfim a pessoa certa -Dr. Anirban Maitra, professor de patologia e oncologia na Johns Hopkins University, que também se tornou o mentor de Jack.

Nenhum comentário:

Postar um comentário