segunda-feira, 18 de março de 2013

Saberes e Incertezas do Currículo


No livro Saberes e Incertezas do Currículo, Sacristán aborda a forma como o mesmo vem se institucionalizando no contexto educativo. Trata-se não somente de um contexto teórico, mas também de uma ferramenta de regulação de práticas pedagógicas. É um instrumento de inclusão, onde manifestamos nossas percepções sobre o que acreditamos ser a realidade da educação, pautados no contexto histórico (passado) e nos mostrando uma visão do futuro refletindo sobre o que pretendemos que os alunos aprendam e de que maneira podemos planejar melhorias.
Não há como exercer nossas práticas educacionais sem ter um currículo pré-estabelecido, pois ele é um componente formador da realidade do sistema de educação no qual vivemos, é a expressão e a concretização do plano cultural, pois toda instituição trabalha e defende uma cultura. Dentro do contexto educacional  currículo desde os problemas com o fracasso escolar, a desmotivação dos alunos, o tipo de relações entre professores e alunos, a indisciplina em aula, que além de serem preocupações e temas de conteúdo psicopedagógico, são também de certa forma problemas que são muito relacionados ao currículo ofertado aos alunos.
Neste livro Sacristán (2013,p.10) enfatiza que:
Se por um lado o currículo é uma ponte entre a cultura e a sociedade exteriores às instituições de educação, por outro ele também é uma ponte entre a cultura dos sujeitos, entre a sociedade de hoje e a do amanhã, entre as possibilidades de conhecer, saber se comunicar e se expressar em contraposição ao isolamento da ignorância.

Por todos estes apontamentos o autor faz um convite à reconstrução progressiva e interdisciplinar do currículo, pautado na reflexão da pluralidade de pensamentos e na contemplação da diversidade cultural dos sujeitos.
A obra é estruturada em seis partes englobando 30 capítulos.
I.              O que significa o currículo?  Através desta pergunta se desenvolverá todo um esquema que leva a compreensão da complexidade que o currículo hoje apresenta tanto nos estudos sobre o tema quanto nos âmbitos práticos nos quais ele é projetado.
II.            O currículo: texto em contexto – suas determinações visíveis e invisíveis. Neste enredo há a abordagem das representações do currículo que é um texto que representa e apresenta suas aspirações, interesses, ideais e formas de entender sua missão em um contexto histórico e quais as influências que o mesmo sofre. Evidenciando a não neutralidade do currículo, as desigualdades entre os indivíduos e os grupos. Também existe a condição evidente da pluralidade cultural das sociedades atuais, fato que se choca com a uniformidade dos currículos, além da condição intitulada sociedades da informação, que desestabilizam as formas de pensar e atuar com as quais estamos, exigem uma revisão das instituições educacionais, de seus conteúdos e de suas metodologias.
III.           Âmbitos de configuração e de tomada de decisão do currículo: as práticas em seu desenvolvimento. Muitas atividades são realizadas em torno do currículo, mas sua essência e substância é o resultado das transformações que práticas e decisões políticas, organizativas, pedagógicas e de controle (entre outras) provocam sobre ele.
IV.          A inserção do currículo no sistema educacional. O currículo é um fator constituinte da realidade da educação e ao mesmo tempo é instituído por ela. Então o autor traz toda a contextualização da educação infantil, primária, secundária e o significado de cada etapa da educação, procurando enfatizar também a questão da inclusão.
V.           O currículo em uma aula “sem paredes”. O currículo efetivo nos arremete ao que as crianças e os jovens aprendem fora do contexto escolar e isso deveria ser levado em consideração na reestruturação dos currículos. Sendo que aqui há a abordagem de três polos de discussão: - considerar à cidade (e não a escola) ambiente determinante do pensamento e o promotor da educação, muito mais do que os currículos escolares; - integrar as novas tecnologias a serviço do conhecimento, sob os critérios de justiça e de democratização de saberes; - e imaginar as instituições de outra maneira.
VI.          A melhoria do currículo. Para Sacristán  a melhoria do currículo deve ser algo constante e dar suporte às pesquisas feitas com e sobre os professores a respeito do desenvolvimento do currículo como estratégia para o desenvolvimento do corpo docente; a formação dos professores especificamente voltada par o desenvolvimento do currículo e uma prática de avaliação para a melhoria do currículo.
Sendo assim a leitura desta obra e faz de grande valia para todo e qualquer profissional que transita pelo contexto educativo, pois o currículo é pressuposto básico para qualquer prática pedagógica.

O livro pode ser encontrado no site do  GrupoA.
SACRISTÁN, José Gimeno. Saberes e Incertezas do Currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário