quinta-feira, 4 de abril de 2013

Conectoma



     O conjunto das ligações entre os neurônios é chamado de conectoma. Conhecê-lo é fundamental porque a genética, sozinha, não basta para definir as características do cérebro de uma pessoa. Os genes não gravam as memórias adquiridas ao longo de uma vida. Um tombo de bicicleta, o primeiro beijo ou o aprendizado de um segundo idioma não deixam sua assinatura na molécula de DNA.
     A maior parte do que se conhece sobre o funcionamento do cérebro provém de estudos de danos causados por lesões e tumores. O diagnóstico em saúde mental mudou muito nos últimos 100 anos, mas quando ganharem acesso à gramática do conectoma, os cientistas poderão visualizar  a doença mental e trata-la corrigindo as alterações que ela provoca no cérebro.
   O Projeto Conectoma Humano, liderado por pesquisadores americanos, utiliza o que há de mais avançado em imagens do cérebro para identificar o caminho provável da comunicação entre os neurônios.
- A pesquisa é feita com a reconstrução tridimensional da posição das fibras a partir da movimentação das moléculas de água, captada com aparelhos de ressonância magnética.
- Essa movimentação da água no tecido cerebral indica a direção das fibras, que são identificadas por um padrão de cores na representação feita em computador chamada de tractografia.
- Cada uma das fibras coloridas reúne milhares de axônios, os prolongamentos dos neurônios.
    As imagens demonstram que as vias neurais na substância branca (parte do cérebro que conecta os axônios) são organizadas como ruas de uma cidade planeada, e não um emaranhado caótico como um prato de macarrão, como se acreditava.
TONS DE VERMELHO
DIREÇÃO:  da esquerda para a direita
O vermelho-escuro mostra as fibras mais associadas ao corpo caloso, que liga os dois hemisférios cerebrais.

TONS DE VERDE
DIREÇÃO: da frente para trás
O verde-limão representa as fibras que conectam os olhos ao córtex cerebral

TONS DE AZUL
DIREÇÃO: do topo do cérebro para a medula espinhal
O azul-escuro representa, grosso modo, as fibras que vão do córtex até a medula.

Fonte:
GIANINI, Tatiana.  A mente ao vivo e em cores. REVISTA VEJA. Edição 2311/ Ano 46/ nº 10 / 6 de março de 2013.

Um comentário:

  1. Ana Lúcia, este post contém vários erros.
    O DNA é sim modificado pelas experiências vividas, como comprovam inúmeras pesquisas publicadas nos últimos anos. Se quiser pesquisar procure "experience alters genetic expression" na Internet.
    O Conectoma é sim muito mais determinante da identidade do indivíduo, mas também modifica-se o tempo todo porque novos circuitos de neurônios são criados o tempo todo. O interesse de mapear-se o conectoma estrá unicamente em descobrir os sub-sistemas funcionais do cérebro.
    O mapeamento do conectoma não é feito por meio da observação da água no cérebro. É sim feito usando-se marcadores de diversos tipos ou observando o fluxo da atividade neuronal seguindo o fluxo e a intensidade da glicose (sangue).
    A massa branca (glia) serve para (1) direcionar novos neurônios para suas posições destinadas à medida em que estes migram da medula espinhal para o cérebro, (2) aliemntar e proteger neurônios e suas estruturas projetadas (axonios e dendritos) e (3) para sustentar a rede de neurônios (conectoma).

    ResponderExcluir