sexta-feira, 5 de julho de 2013

O outro lado da moeda




 Durante este mês assisti uma palestra sobre “Altas habilidades/Superdotação” fiquei fascinada com a história do coreano Kim Ung-you que segundo o palestrante aos 3 meses já estava falando e aos 5 anos entrou na universidade. Mas, após pesquisa em algumas fontes, teve um diferencial nos dados apresentados, pois a grande verdade é que este menino considerado prodígio só iniciou sua fala aos  6 meses (apenas uma pequena diferença de 90 dias) e quanto a Universidade o diferencial foi de 1 ano, pois ele só foi matriculado aos 6 anos na Universidade de Seoul ( nada que nos cause espanto...)
    Existem diversos sites falando da genialidade deste garoto, ele está na lista das 10 crianças mais notáveis do mundo, mas na vida sempre existe o outro lado. Um lado que nem sempre aparece, o lado fora dos holofotes, pois  esta criança cresceu e hoje está com 50 anos, surpreendeu a muitos quando decidiu largar tudo e viver em busca da felicidade.
      Um dos aspectos que particularmente gosto de estudar são casos como este, onde o indivíduo tem todo um aparato intelectual muito a frente de sua idade cronológica e de certa forma se sente com a sensação de “não pertença”, pois os interesses de crianças assim em muitos aspectos se diferenciam das demais, mas ao mesmo tempo são crianças como as outras. Sem contar que se o ambiente familiar não souber dar suporte a elas, pode-se ter aí um grande problema, pois existe o lado, em que algumas famílias utilizam-se destas crianças como forma de “inflar o ego”, onde algumas são alvos de exposições na mídia.


    Mas voltando a história de Kim, este coreano nasceu em 7 de março de 1963, sendo que seu nome consta no Livro dos Records Guinness, na categoria QIs mais altos, com uma pontuação de 210. Ele começou a falar com 6 meses e aos 3 anos de vida conversava fluentemente em japonês, coreano, alemão e inglês, a ponto de compor poesias nesses idiomas.  Suas habilidades intelectuais compreendiam também a matemática mais avançada. Aos 6 anos Kim foi matriculado na Universidade de Seoul.  Aos 8 anos foi convidado para trabalhar na NASA, onde permaneceu durante 10 anos. Aos 9 anos recebeu o título de doutor Honoris Causa em Matemática Espacial e Cálculo Diferencial e aos 12 anos também recebeu o título em Física Nuclear e foi considerado o gênio mais completo da história da humanidade. Hoje em dia ele é professor de universidade na Coréia.


      Quando optou por voltar a Coréia, todos  não entenderam sua atitude. Conforme ele,  a mídia denunciou-o como um "gênio fracassado", mas ele não tem ideia de por que sua vida, que ele considera um sucesso, teve que ser chamada de fracasso.
     "As pessoas esperavam que eu me tornasse um funcionário de alto escalão no governo ou uma grande empresa, mas eu não acho que só porque eu não quis tornar-me o esperado, dá a qualquer um o direito de achar que minha vida é um fracasso", disse ele.
   Quando Kim decidiu deixar a NASA, entrou em uma universidade localizada fora de Seul e tornou-se um trabalhador de empresa igual a qualquer outro. Conforme ele, todos os anos em que trabalhou na NASA foram muito solitários.
     "Naquela época minha vida era como de uma máquina. Acordava, resolvia as equações  que me eram atribuídas diariamente, comia, dormia, e assim por diante. Eu realmente não sabia o que eu estava fazendo, e eu estava sozinho e não tinha amigos. "
     Como sentia muita falta de minha mãe, decidi voltar à Coréia, mas fui alvo de perseguição da mídia.
     "Eu estava doente e cansado de ser o centro das atenções. Eu me senti como um macaco em um zoológico ", disse ele. "Naquela época, não havia nem twitters, mensagens instantâneas, de modo que os jornais tinham muito poder. A propagação das notícias foram tão rápidas  que algumas pessoas até começaram a me chamar de esquizofrênico principalmente por estar confinado em um quarto. Mas a grande verdade é que eu queria evitar qualquer tipo de atenção a meu respeito. "
     Como precisei arrumar um emprego na Coréia, me dei conta que não tinha nenhum diploma oficial eu tive que começar tudo do zero. Desde o Ensino Fundamental, Ensino Médio e Ensino Superior.
     Kim afirmou que as pessoas investem muito significado em QI. "Alguns pensam que as pessoas com um QI alto pode ser onipotente, mas isso não é verdade. Olhe para mim, eu não tenho talento musical, nem estou excelência no esporte ", disse ele. Assim como os recordes mundiais para os atletas, ter um QI elevado é apenas mais um elemento do talento humano. QI alto, segundo ele, não significa necessariamente que a memória imperecível:  “Até certo tempo atrás eu poderia falar quatro línguas - francês, alemão, japonês e Inglês -, mas não posso falar fluentemente agora. Eu poderia treinar  e falar um pouco, mas honestamente estou enferrujado.
     Hoje, ele se considera uma pessoa feliz, e diz que "A sociedade não deve julgar ninguém com normas unilaterais - todo mundo tem diferentes níveis de aprendizagem, esperanças, talentos e sonhos e devemos respeitar isso".


    Um dos grandes problemas de quase todos os indivíduos superdotados gera em torno do ajustamento socioemocional, pois o desenvolvimento das capacidades mentais e intelectuais se encontra  muito acentuado e incompatível com os pares da mesma idade, pois pode ocorrer a dificuldade de compartilhar os mesmos interesses. Por isso a importância de ter um acompanhamento psicológico para estes indivíduos, desde a mais tenra idade.
    Entretanto, embora não exista um padrão comportamental homogêneo entre os indivíduos superdotados, há um conjunto de características que podem servir como indicativos na avaliação da superdotação. Vale ressaltar que os superdotados podem apresentar diversas dessas características, mas não necessariamente todas elas. Os traços observados são os seguintes:
- Desenvolvimento neuropsicomotor precoce: a criança engatinha, anda e fala mais cedo do que o esperado, com vocabulário avançado para a idade;
- Habilidade superior para manutenção da atenção;
- Ótima capacidade de memória com elevada e rápida capacidade de aprendizagem;
- Persistência e motivação para a resolução de problemas;
- Aquisição precoce da leitura;
- Habilidade acima da média com números e aritmética;
- Curiosidade incomum, desejo de aprender e capacidade de elaborar questionamentos de forma ilimitada;
- Interesses em áreas específicas, podendo tornar-se especialista no assunto;
-Criatividade;
- Sensibilidade elevada, podendo apresentar fortes reações em relação a parte sensorial (ruídos, odores, dores), e especialmente à frustração;
- Comportamento de liderança;
- Energia elevada, o que pode ser confundido com hiperatividade, especialmente quando não estimuladas adequadamente;
- Aguçada percepção de relações de causa e efeito;
- Facilidade para estabelecer generalizações, ou seja, transferir aprendizagens de uma situação para outra;
- Elevado senso crítico: rapidez em identificar contradições e inconsistências;
- Pensamento divergente: habilidade em encontrar diversas idéias e soluções para um mesmo problema;
- Tendência ao perfeccionismo.

Referencial Bibliográfico:







Nenhum comentário:

Postar um comentário