domingo, 6 de abril de 2014

Somos ao mesmo tempo sujeitos e objetos de observação

     


      Passamos por contextos históricos onde o cérebro não tinha o privilégio da psique, era apenas um órgão qualquer dentro de nosso corpo, mas num mundo cheio de transformações o cérebro começou a ser encarado como uma máquina, uma estrutura em engrenagem...

      O tempo passou e novas concepções a cerca do cérebro foram surgindo, pois  a era computacional reestruturou esta visão e o advento dos computadores ampliou a metáfora mecanicista do cérebro como grande e potente gerenciador cibernético (software: consciência e funções psíquicas/ hardware: a pessoa em si, o sujeito da ação).


      Na atualidade, a neurociência está nos trazendo novas concepções, novos paradigmas e tem nos apresentado a visão de um cérebro que se assemelha a um ecossistema, um cérebro ecológico onde os neurônios vivem se reestruturando através dos estímulos que nos são oportunizados.

    E dentro dessa dimensão de ecossistema que a neuroplasticidade tem mostrado o quanto o homem é maleável, o quanto consegue se reestruturar frente às situações que lhe são apresentadas cotidianamente. Conforme Houzel estamos diariamente nos esculpindo, tomando decisões a partir de nossa capacidade de olharmos para nós mesmos.


    Sendo assim, o homem é ao mesmo tempo sujeito e objeto de observação, uma metamorfose ambulante...

Nenhum comentário:

Postar um comentário